VIVA: A Vida é uma Festa | RESENHA

January 30, 2018

Olá Pessoas! 

 

Como é bom voltar a escrever essas resenhas, já estava com saudades, e vocês? E para começar bem o ano não poderia ser com outro filme. 

 

Viva: a vida é uma festa estreou já no fim de 2017 em países estrangeiros, enquanto a repercussão era grande eu me consumia de curiosidade. Mas não podia fazer nada pois estava empolgada para ver a mais nova obra da Disney Pixar dublado. Sim, eu acredito que a dublagem brasileira para animações é entregue de um jeito brilhante e sem falhas, na maioria dos casos. Neste quesito o Brasil merece um belo voto! 

 

Mas sem mais delongas, vamos a resenha!

 

 

Título: Viva - a vida é uma festa 

Título original: Coco

País: EUA

Duração:  1h 49m

Direção: Lee Unkrich, Adrian Molina

Ano: 2017

Elenco: Anthony Gonzalez (VIII), Benjamin Bratt, Gael García Bernal

 

Essa linda história começa mostrando nosso personagem principal, Miguel, um menino de 12 anos, contando a história de sua família. De geração para geração foi passado o desprezo pela música, onde chegavam a extremos de nunca tocarem e nem ouvirem música em caso algum. Por outro lado, Miguel ama a música, mostra claramente que esta faz parte dele. 

 

A trama começa a se desenrolar quando Miguel, fugindo de sua família no Dia dos Mortos, rouba o violão do mais famoso artista falecido do México, Ernesto de la Cruz, afim de participar de um show de talentos. As coisas não correm de acordo com o plano e Miguel vai parar no mundo dos mortos, lá ele encontrará seus antepassados e terá muitas revelações.

 

A Pixar já nos presenteou com diversas histórias onde nos é apresentado sociedades distintas, como Nemo, Toy Story e Monstros S.A, todas elas nos mostrando como seres, diferentes de nós, se organizam e convivem. Em VIVA isso é bem similar quando aparece o Mundo dos Mortos. Ali é retratados todas as questões de quem pode, ou não, visitar seus familiares e também a maneira que reagem quando são completamente esquecidos.

 

Um ponto muito impostante que este filme aborta é a questão da família, mostrando como ela é importante, mesmo sendo um pouco diferente de você. Bate forte quando nos faz lembrar daquele ente querido que já partiu e nos questiona se ainda lembramos dele. Bato palmas para a ideia que tiveram que, quando um falecido é completamente esquecido no mundo do vivos, ele deixa de existir também nos mundo dos mortos. 

 

 

É muito legal ver que, em certo ponto do filme, a animação desaparece com tamanha imersão que sentimos na história e o grande envolvimento com os personagens. Em resumo, a Pixar acertou em cheio e fez todos na sala de cinema, inclusive eu, derramar algumas lágrimas.

 

Viva - a vida é uma festa veio para marcar a carreira do estúdio e nos mostra, mais uma vez, que um filme de animação é desenvolvido para todos os públicos. Há muitos elementos que conversão diretamente com as crianças, sem ter uma overdose de piadas prontas, mas o mais interessante é que, como em Wall-E, há conceitos que só o pessoal mais velho irá entender e se sensibilizar.

 

A complexidade dos fatos abordados vai além do certo e errado. Como é uma história baseada em uma cultura existente, nada mais justo que tornar os problemas de acordo com o nosso dia a dia real. Não é preto no branco e nem 8 ou 80, a trama começa leve e ganha complexidade ao desenrolar da história, o que é lindo de ver!

 

Outra coisa que é linda de se ver é o próprio visual do filme. O design, fotografia, desenvolvimento de personagens (tanto vivos quanto mortos) estão de parabéns. Logo no início do filme, na história que Miguel está contando, esta é apresentada nas bandeirolas que enfeitam a cidade, o que dá um toque simples e muito bonito por apresentar um estudo mais aprofundado da cultura. 

 

A história se desenrola mais um pouco e chegamos a outra cena magnífica, a cidade dos mortos, que coisa linda. Arquiteturas desiguais, iluminação sutil e brilhante, um jogo aplicado de cores complementares entre o roxo e o laranja, e o que mais me chamou a atenção, a ponte de pétalas. Na cultura mexicana, os mortos usam o caminho de pétalas deixadas pelos vivos para poder reencontra-los neste dia. Acredito que, apesar de não ser a minha cultura, esta foi retratada com capricho e carinho.

 

É um filme que vale a pena ver e rever. Acredito que não irão se arrepender de dar um voto para o mais novo sucesso da Disney Pixar!

 

Mas e vocês, já assistiram este filme? 

Deixa teu comentário aqui nos comentários!

 

Até a próxima

Jennifer Poletto

 

 

Tags:

Please reload

POSTS RELACIONADOS

Please reload

Please reload

FALE COMIGO:

TAG CLOUD